segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Saiba como emagrecer rápido sem apelar para dietas radicais

Think Stock

É possível perder peso em um prazo curto sem ter de apelar para uma dieta muito restritiva, afirmam as nutricionistas do Spa Sorocaba Campus, no interior de São Paulo, e a professora Avany Bon, coordenadora do curso de nutrição da Universidade Anhembi Morumbi.

Claro que atividade física é fundamental, mas alguns ajustes na alimentação também colaboram para enxugar rapidamente. O primeiro passo, ensinam as especialistas, é aumentar a ingestão de água e de bebidas saudáveis, como chás e sucos naturais.

A base do cardápio, concordam, deve ser composta de frutas, verduras, legumes e cereais integrais. Todos esses alimentos são ricos em fibras, substâncias que promovem a sensação de saciedade por mais tempo, dificultam a absorção de gorduras nocivas durante a digestão e ajudam no funcionamento do intestino, pois são eliminadas.

Segundo a equipe do Spa Sorocaba Campus, frutas ricas em água, como melancia, laranja, morango, abacaxi, melão, kiwi, maracujá e limão são mais indicadas, pois hidratam além de alimentar. Avany concorda.

- Outra dica valiosa é sempre preferir comer a fruta do que tomar o suco. Se você chupar uma laranja, estará consumindo apenas as calorias presentes naquela unidade. Mas, se tomar um suco da fruta, vai consumir as calorias de quatro a cinco laranjas, quantidade necessária para preparar um copo da de 300 ml da bebida.

É importante ainda comer alimentos ricos em proteína, como peixes e peito de frango. Já as carnes vermelhas devem ser evitadas. Mesmo as que não possuem gordura aparente são mais gordurosas, afirma Avany.

- A gordura fica entrelaçada nas fibras da carne. Por mais que a gente não veja, está lá e vai parar no nosso organismo.
Se você for daqueles que não vive sem uma carnezinha vermelha, saiba que as partes mais leves são músculo, coxão mole, coxão duro, patinho e filé mignon.

Segundo a professora da Universidade Anhembi Morumbi, até mesmo a escolha do óleo no preparo de pratos quentes influencia no ponteiro da balança.

- As melhores opções para cozinhar são o óleo de canola e o de soja. Qualquer outro acaba se transformando em uma gordura de qualidade ruim, quando aquecido. 

Começa hoje convocação para troca do RG pelo novo registro de identidade

Novo RG ou Registro de Identidade Civil - frente HG
Novo RG ou Registro de Identidade Civil HG - verso

A convocação dos selecionados para trocar a antiga cédula de identidade pelo novo cartão de RIC (Registro de Identidade Civil) começa nesta segunda-feira (17). Os moradores de Brasília, do Rio de Janeiro e de Salvador serão os primeiros a receber cartas informando sobre a troca.

A escolha foi aleatória. Segundo o Ministério da Justiça, as cidades de Hidrolândia (GO), Ilha de Itamaracá (PE), Nísia Floresta (RN) e Rio Sono (TO) também fazem parte do projeto piloto, e o início da convocação será ainda no primeiro semestre.

Os cartões dos selecionados já estão prontos, pois foram feitos com base nos cadastros repassados pelos Estados ao Ministério da Justiça.
O RIC é um cartão magnético, com impressão digital e chip eletrônico, que inclui informações como nome, sexo, data de nascimento, foto, filiação, naturalidade e assinatura, entre outros dados.
O Ministério da Justiça estima que a substituição da carteira de identidade seja feita gradualmente, ao longo de dez anos.

quinta-feira, 13 de janeiro de 2011

Oração da Família





Que nenhuma família comece em qualquer de repente.
Que nenhuma família termine por falta de amor.
Que o casal seja um para o outro de corpo e de mente.
E que nada no mundo separe um casal sonhador. 

Que nenhuma família se abrigue debaixo da ponte.
Que ninguém interfira no lar e na vida dos dois.
Que ninguém os obrigue a viver sem nenhum horizonte.
Que eles vivam do ontem, no hoje em função de um depois.

Que a família comece e termine sabendo onde vai.
E que o homem carregue nos ombros a graça de um pai.
Que a mulher seja um céu de ternura, aconchego e calor.
E que os filhos conheçam a força de onde brota o amor.

Que marido e mulher tenham força de amar sem medida.
Que ninguém vá dormir sem pedir ou dar seu perdão.
Que as crianças aprendam no colo o sentido da vida.
Que a família celebre a partilha do abraço e do pão.

Que marido e mulher não se traiam nem traiam seus filhos.
Que o ciúme não mate a certeza do AMOR entre os dois.
Que no seu firmamento a estrela que tem maior brilho.
Seja a firme esperança de um céu aqui mesmo e depois.

Uma História de Amor entre Animais

sábado, 8 de janeiro de 2011

Não maltrate os animais









Diário de um Cão.

1ª semana:
- Hoje completei uma semana de vida. Que alegria ter chegado a este mundo!
1º mês:
- Minha mamãe cuida muito bem de mim. É uma mãe exemplar!
2 meses:
- Hoje me separaram de minha mamãe. Ela estava muito inquieta e, com seu olhar, disse-me adeus. Espero que a minha nova “família humana ” cuide tão bem de mim como ela o fez.
4 meses:
- Cresci rápido; tudo me chama a atenção. Há várias crianças na casa e para mim são como “irmãozinhos”. Somos muito brincalhões, eles me puxam o rabo e eu os mordo de brincadeira.
5 meses:
- Hoje me deram uma bronca. Minha dona se incomodou porque fiz “pipi” dentro de casa. Mas nunca me haviam ensinado onde deveria fazê-lo. Além do que, durmo no hall de entrada. Não deu para agüentar.
8 meses:
- Sou um cão feliz! Tenho o calor de um lar; sinto-me tão seguro, tão protegido… Acho que a minha família humana me ama e me consente muitas coisas. O pátio é todinho para mim e, às vezes, me excedo, cavando na terra como meus antepassados, os lobos quando escondiam a comida. Nunca me educam. Deve ser correto tudo o que faço.!
12 meses:
- Hoje completo um ano. Sou um cão adulto.
Meus donos dizem que cresci mais do que eles esperavam. Que orgulho devem ter de mim!!
13 meses:
- Hoje me acorrentaram e fico quase sem poder movimentar-me até onde tem um raio de sol ou quando quero alguma sombra.
Dizem que vão me observar e que sou um ingrato. Não compreendo nada do que está acontecendo.
15 meses:
- Já nada é igual… Moro na varanda. Sinto-me muito só. Minha família já não me quer! Às vezes esquecem que tenho fome e sede. Quando chove, não tenho teto que me abrigue…
16 meses:
- Hoje me desceram da varanda. Estou certo de que minha família me perdoou. Eu fiquei tão contente que pulava com gosto. Meu rabo parecia um ventilador. Além disso, vão levar-me a passear em sua companhia!Nos direcionamos para a rodovia e, de repente, pararam o automóvel. Abriram a porta e eu desci feliz, pensando que passaríamos nosso dia no campo. Não compreendo porque fecharam a porta e se foram. “Ouçam, Esperem!” lati… se esqueceram de mim… Corri atrás do carro com todas as minhas forcas. Minha angústia crescia ao perceber que quase perdia o fôlego e eles não paravam. Haviam me esquecido.
17 meses:
- Procurei em vão achar o caminho de volta ao lar. Estou e sinto-me perdido! No meu caminho existem pessoas de bom coração que me olham com tristeza e me dão algum alimento. Eu lhes agradeço com o meu olhar, desde o fundo de minha alma. Eu gostaria que me adotassem: seria leal como ninguém!
Mas somente dizem: “pobre cãozinho, deve ter se perdido.”
18 meses:
- Um dia destes, passei perto de uma escola e vi muitas crianças e jovens como meus “irmãozinhos”. Aproximei-me e um grupo deles, rindo, me jogou uma chuva de pedras “para ver quem tinha melhor pontaria”. Uma dessas pedras feriu-me o olho e desde então, não enxergo com ele.
19 meses:
- Parece mentira Quando estava mais bonito, tinham compaixão de mim. Já estou muito fraco; meu aspecto mudou. Perdi o meu olho e as pessoas me mostram a vassoura quando pretendo deitar-me numa pequena sombra.
20 meses:
- Quase não posso mover-me! Hoje, ao tentar atravessar a rua por onde passam os carros, um me jogou! Eu estava no lugar seguro chamado “calçada”, mas nunca esquecerei o olhar de satisfação do condutor, que até se vangloriou por acertar-me. Quisera que tivesse matado! Mas só me deslocou as cadeiras! A dor e terrível!
Minhas patas traseiras não me obedecem e com dificuldade arrastei-me até a relva, na beira do caminho..
Faz dez dias que estou embaixo do sol, da chuva, do frio, sem comer. Já não posso mexer-me! A dor é insuportável! Sinto-me muito mal; fiquei num lugar úmido e parece que até o meu pelo esta caindo…Algumas pessoas passam e nem me vêem; outras dizem: “não chegue perto”. Já estou quase inconsciente; mas alguma força estranha me faz abrir os olhos. A doçura de sua voz me fez reagir. “Pobre cãozinho, olha como te deixaram”, dizia… junto com ela estava um senhor de avental branco. Começou a tocar-me e disse: “Sinto muito senhora, mas este cão já não tem remédio”. É melhor que pare de sofrer”.
A gentil dama, com as lágrimas rolando pelo rosto, concordou. Como pude, mexi o rabo e olhei-a, agradecendo-lhe que me ajudasse a descansar. Somente senti a picada da injeção e dormi para sempre, pensando em porque tive que nascer se ninguém me queria…